Sala São Paulo
4.5 (90%) 2 votos

A Sala São Paulo é uma sala de concertos onde ocorrem apresentações sinfônicas e de câmara. Faz parte do Centro Cultural Júlio Prestes, na antiga Estação Júlio Prestes, uma histórica estação ferroviária.

Fica localizada na Praça Júlio Prestes, no bairro de Campos Elísios, no centro da cidade de São Paulo.

Sala São Paulo

Inaugurada no dia 9 de julho de 1999, ao som da Sinfonia n°2 de Gustav Mahler, Ressurreição, foi a primeira sala de concertos do Brasil, considerada uma das melhores do mundo desde a sua concepção.

A estação foi completamente restaurada e remodelada pelo Governo do Estado como parte do projeto de revitalização do centro da cidade. Ao lado dela encontra-se a Estação Pinacoteca, que abriga exposições de arte.



A sala tem capacidade para 1 498 espectadores e 22 camarotes. É a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e do Coro da Osesp. Foi concebida de acordo com os mais atualizados padrões internacionais e muitos especialistas consideram-na uma das salas de concerto com melhor acústica no mundo.

É comparada a muitas salas dos Estados Unidos ou da Europa mundialmente conhecidas, como a Symphony Hall de Boston, a Musikverein de Viena e a Concertgebouw em Amsterdã.

A renovação começou em novembro de 1997, mas os primeiros passos foram dados em 1995, sob a supervisão do arquiteto Nelson Dupré.

O governador Mário Covas visualizava a Estação Júlio Prestes como um espaço ideal para apresentações sinfônicas, uma vez que faltava ao Brasil lugares adequados para este tipo de apresentação e principalmente porque a OSESP não possuía um centro permanente. Em 2015, o jornal britânico The Guardian classificou a Sala São Paulo como uma das dez melhores casas de concerto do mundo.

Em 1999, a Sala São Paulo foi tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico (CONDEPHAAT).

A Estação Júlio Prestes foi construída entre 1926 e 1938 para ser a sede e ponto de partida da Estrada de Ferro Sorocabana – uma empresa criada pelos barões do café para transportar o produto até ao Porto de Santos, pois na metade do século XX o café se tornou o produto mais importante para a economia, sendo assim, o seu cultivo se expandiu rapidamente em direção ao oeste paulista.

O Estado adquiriu a empresa em 1905 e tornou-a Ferrovia Paulista S.A. na década de 1970. Desta forma, os materiais poderiam ser trazidos de outras cidades e da Europa. No ano de 1938, ano de conclusão do prédio da Sala São Paulo, a cidade de São Paulo já convivia com a presença de automóveis, fato que levou a minimização na utilização de bondes e trens.

O prédio foi planejado no ano de 1925 por Cristiano Stockler das Neves, em uma época em que a cidade experimentava um importante desenvolvimento econômico, devido à produção de café e consequentemente, a expansão em ritmo acelerado da sua rede ferroviária. A Sala São Paulo era um jardim de inverno planejado para a primeira classe, com palmeiras imperiais. Devido aos impactos da crise de 29, as obras acabaram sendo prolongadas até a década de 30.

Desde a década de 1980, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) assumiu a linha e a estação tornou-se ponto de chegada. O nome Júlio Prestes é uma homenagem ao ex-governador do estado de São Paulo. Christiano Stockler das Neves, o projetista da estação, baseou seu projeto em um estilo eclético, descrito como neoclássico estilo Luís XVI que foi uma reação ao estilo barroco, no qual o prédio é marcado por ornamentos, que predominava na época. Neves também foi claramente influenciado pelas estações da Pensilvânia e de Nova Iorque.

No início do século XXI, os engenheiros que trabalharam na transformação do hall tiveram dificuldades em conciliar a tecnologia de hoje com a conservação histórica.



O antigo trem foi substituído por um gigantesco guindaste de 150 toneladas. Esta foi a única maneira de transportar as imensas vigas a 25 metros de altura, que mais tarde se transformariam em parte da estrutura que suporta o teto ajustável ao longo do novo corredor.

No ano de 1997, as principais áreas do prédio já estavam sendo utilizadas e locadas para a realização de eventos institucionais, fato que levou a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo a assumir o controle do estabelecimento e transformá-lo no que seria o Complexo Cultural Júlio Prestes, situado no centro da cidade, localizado próximo à Pinacoteca do Estado e do Museu de Arte Sacra.

A Sala São Paulo teve seu prédio tombado como patrimônio histórico pelo Condephaat, Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, no dia 9 de julho de 1999, quando a Osesp apresentou a peça inaugural Sinfonia nº 2, Ressurreição, de Gustav Mahler.

Dezoito meses de obra que uniu centenas de operários, técnicos especializados, procedimentos artesanais de longa tradição e as mais inovadoras tecnologias transformaram a área central da estação em uma das mais encantadoras, modernas e completas salas de concerto no mundo.

Além disso, a coexistência da sala com a estação ferroviária exigiu uma laje flutuante.

Mesmo com a inauguração em 1999, ela ainda possui um forro especial, permitindo à acústica do local uma adaptação a diversos tipo de música a serem executados. É possível, também, testemunhar o encanto do edifício em dias de concerto ou por visitas previamente monitoradas.

Sala São Paulo Programação

Para a programação completa acesse o site.

Sala São Paulo Ingressos

A Bilheteria da Sala São Paulo é administrada pela empresa INTI e vende ingressos para os concertos da Osesp. Para saber como adquirir ingressos para outros eventos na Sala São Paulo e conhecer as respectivas condições, veja diretamente na página do concerto, acessando a Programação.

OUTRAS FORMAS DE COMPRA DE INGRESSOS PARA CONCERTOS DA OSESP [INTI]

INTERNET
Site da OSESP aba Programação

TELEFONE
(11) 3777-9721
De segunda a sexta das 12h às 18h.

A aquisição de ingressos pela INTI está sujeita a taxas adicionais.

Sala São Paulo Estacionamento

O estacionamento da Sala São Paulo é administrado pela empresa AutoVagas, que oferece qualidade de atendimento e segurança ao seu veículo. O estacionamento, em três pisos ?dois cobertos no subsolo?, é fechado e dá acesso direto à sala de concertos.

Com sete saídas para facilitar o fluxo de veículos após as apresentações, o estacionamento dispõe de cancelas eletrônicas.

O bilhete é retirado na entrada e o pagamento deve ser efetuado em um dos dois caixas – no 1º subsolo (ao lado da Bilheteria) ou no Hall Principal.

Sala São Paulo Visita

Conheça a história do edifício que abrigou a antiga estação da Estrada de Ferro Sorocabana no período áureo do café e hoje é sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Durante as visitas, os guias abordam sua importância como patrimônio histórico e marco da cidade; o processo de restauro e revitalização pelo qual passou no final da década de 90; e o projeto de construção da Sala São Paulo, sua acústica, estrutura e detalhes sobre o funcionamento da sala de concertos.

Para informações e agendamentos, envie um e-mail para visita@osesp.art.br ou ligue para 55 11 3367 9573 (segunda a sexta, exceto feriados, das 9h às 18h). Agendamento sujeito a confirmação de acordo com disponibilidade.

Para visita de estrangeiros ou grupos acima de 10 pessoas, o agendamento é obrigatório, com no mínimo cinco dias úteis de antecedência. Para grupos abaixo de 10 pessoas, o agendamento é recomendável, visto que as visitas estão sujeitas à lotação máxima e à disponibilidade da Sala.

A Sala São Paulo também oferece Visitas Monitoradas com audiodescrição para pessoas com deficiência visual. Consulte a agenda e inscreva-se através do e-mail marina@vercompalavras.com.br. Limitada a 15 pessoas por dia.

Onde Fica, Endereço e Telefone Sala São Paulo

  • Praça Júlio Prestes, 16 – Campos Elíseos – São Paulo – SP
  • Telefone: (11) 3367-9500

Outras informações e site

Mapa de localização