Município Vinhedo SP

Vinhedo é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Localiza-se na micro e mesorregião de Campinas, a 75 quilômetros da capital paulista.

Com uma população de 72 550 habitantes segundo o censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2015, destaca-se por ser um dos municípios com maior Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país.

Município Vinhedo SP

A região do planalto paulista era habitada por diversos grupos indígenas, alguns, provenientes do litoral, que buscavam refúgio das guerras e da escravidão movidas pelos colonizadores ibéricos. Outros, como grupos de Tupi-Guaranys e Jês (como os Kaigang e os Kayapó meridionais), moravam na região desde antes da colonização.

Com a chegada de europeus ao continente sul-americano, a região foi percorrida pelas Bandeiras, que ocupavam terras consideradas inexploradas e caçavam índios para trabalho escravo, bem como buscavam recursos naturais como madeiras nobres, ouro e pedras preciosas, durante o século XVII. Para isso, as tribos indígenas foram dizimadas ou expulsas da região. Escravos africanos foram introduzidos para ajudar forçadamente nas Bandeiras ou trabalhar nas recém-criadas lavouras de subsistência que iam se formando no caminho para Goyáz.



No fim do século XIX fazendas cafeicultoras instalam-se na região norte do município de Jundiaí – muitas delas aproveitando antigas fazendas que desde o século XVIII produziam açúcar e aguardente. Todo o trabalho era realizado por escravos negros. Trabalhadores brancos, principalmente imigrantes europeus patrocinados pelo governo e por fazendeiros, ocuparam as vagas deixadas pelos escravos após a abolição.

Intenso comércio entre a região cafeicultora e a capital paulista movimentava tropas de muares pela Estrada Velha de Campinas. Partindo de São Paulo rumo ao interior do Brasil, criaram-se grandes cidades a cada cerca de 50 quilômetros, e entre uma e outra, ás vezes, um ponto de parada temporária.

Entre Jundiaí e Campinas, criou-se naturalmente, em meados de 1620, um pouso de tropeiros e, para usufruto destes, uma pequena plantação de subsistência, uma “rocinha”. Uma das primeiras propriedades instaladas no local tornar-se-ia, mais tarde, a conhecida Fazenda Cachoeira, que acabaria por transformar uma senzala em Quilombo, décadas depois da escravidão.

Justamente no vale entre a Fazenda Cachoeira e a Estrada Velha de Campinas, já chamada popularmente de Estrada da Boiada, a Rocinha foi se tornando, a partir de 1840, uma pequena vila onde escravos negros beneficiavam café, que logo passaria a ser vendido para cidades próximas e, posteriormente, a capital paulista. Com a abolição, os ex-escravos negros foram libertados e, sem instrução educacional nem ofertas de trabalho livre, migraram para as Minas Gerais e a capital paulista. Poucos permaneceram na pequena vila que já tinha em sua população a presença de imigrantes portugueses, espanhóis, alemães, franceses, árabes, alguns norte-americanos e principalmente italianos. Rocinha passou à condição de Vila e Distrito de Paz pertencente a Jundiaí em 31 de Outubro de 1908, por lei promulgada pelo então Presidente do Estado de São Paulo, Dr. Albuquerque Lins.

Já nesta época, com a vinda de mais imigrantes italianos em substituição à de mão de obra escrava, foi introduzida na então vila de Rocinha a cultura da uva como principal produto agrícola, posto que o preço do café da região sofrera sensível queda com a expansão da produção nas cidades do centro-oeste do estado de São Paulo e a construção da estrada de ferro da Companhia Mogiana, que fazia fácil ligação entre o norte do estado e o porto de Santos, tornando obsoleta a produção cafeeira da pequena rocinha.

A uva passa então a ser a base da economia local. Espalham-se por todo o distrito as plantações de uva para produção de vinhos, vinagres, doces e o que mais se pudesse explorar das videiras que preenchem a paisagem do lugar. Rocinha então deixa de ser conhecida apenas como posto de “paragem” e entra em franca ascensão econômica e política.

Um fato curioso ocorre em 1916: o proprietário de uma fazenda na Estrada da Boiada, cerca de dois quilômetros da estrada de ferro, contratou um trabalhador para que este ampliasse um poço para captação ou reserva de água, com aproximadamente 25 metros de profundidade.

Durante os trabalhos, um desmoronamento interno soterrou parcialmente o obreiro, que ficou preso no fundo da construção. Por cinco dias tentou-se o resgate, utilizando-se para isso todos os meios disponíveis na ocasião. O fato tomou dimensão, sendo amplamente noticiado na época. O homem não sobreviveu, e a história ajudou na divulgação do nome do vilarejo.

Na década de 1920 começam a chegar as primeiras indústrias à região do distrito, como alternativa aos altos custos de instalação nos municípios de Jundiaí e Campinas. O distrito já não tinha mais aspectos de uma simples vila, e principiam os movimentos emancipatórios. Em 1948, um plebiscito oficializa a emancipação de Rocinha e seu desligamento da administração de Jundiaí. Em 2 de Abril de 1949 Rocinha torna-se município, sendo sugeridos para a nova cidade nomes como Parreiral, Videiral, Videiras, Vinhalândia e o escolhido, Vinhedo. Seus habitantes são chamados Vinhedenses.



A partir de 1950 começa a ser oficialmente realizada a Festa da Uva de Vinhedo, por iniciativa do Pe. Favorino Carlos Marrone (que anos mais tarde se tornou o Monsenhor, 1917-2009), pároco da Paróquia Sant’Ana, na região que hoje compreende o centro do município, junto à pequena capela dedicada à santa, sendo uma plataforma de divulgação do principal produto da cidade. A princípio, esta foi uma pequena celebração ao estilo das quermesses interioranas, mas hoje a festa tem números metropolitanos, tanto em custos aos cofres públicos como em geração de renda aos mesmos, além de habitualmente trazer nomes famosos da música para apresentações especiais, alavancar os lucros de uma parte do comércio local e proporcionar trabalho temporário, principalmente para os jovens da região. Desta festa os pontos positivos apontados por visitantes e moradores são o clima de “carnival” e feira agrícola; os shows de artistas famosos e de artistas populares da própria cidade e região; a oportunidade de conhecer uma das cidades tidas como mais ricas do país; e o comércio de artesanato, além de um pequeno e tradicional parque de diversões, sempre presente no evento. Os pontos negativos são uma certa decepção com os pontos turísticos da cidade; a superlotação da própria festa, realizada atualmente em recinto fechado, longe do centro da cidade; os altos preços cobrados pelos restaurantes e barracas de produtos locais; e o alto índice de furtos de automóveis nas imediações da festa.

Segundo Censo do IBGE de 2010, cerca de 58,26% das pessoas que hoje residem no município nasceram em outras cidades ou estados do país. Na ocasião do Censo, havia residentes no município apenas 1,23% de imigrantes. Cerca de 670 estrangeiros e outros 122 naturalizados. O mesmo Censo mostrou que aproximadamente 73,28% da população se declarava Branca, e 25,8% se declarava Negra, sendo 21,88% Parda, 3,8% Preta e 0,12% Indígena. Outros 0,8% se declaravam Orientais, e 0,12% se declarava Mestiça, de outras raças/cores ou não responderam. Segundo a mesma pesquisa, cerca de 11,4% da população tem 60 anos ou mais. Vinhedo tem cerca de 12.740 crianças com idades até 14 anos, cerca de 20% de sua população, e enfrenta déficit de vagas em creches e escolas públicas para essa faixa de idade. Aproximadamente 16% da população de Vinhedo tem algum tipo de limitação motora, sensorial ou mental. O sistema público de saúde do município também passa por reestruturação e possui pontos aprovados e reprovados por seus habitantes.

Em geral, a cidade oferece boa qualidade de vida, enquanto por outro lado, o custo de vida seja considerado alto. Ao lado das vizinhas Valinhos e Louveira, Vinhedo é conhecida pelo grande número de condomínios com residências de alto padrão. Também é notório o sistema de vigilância monitorada em diversos pontos da cidade, o que ajuda a manter estáveis os índices de violência e criminalidade na cidade, que tendem a subir concomitante divulgam-se os dados da economia local. Devido às constantes reportagens sobre a estrutura e qualidade de vida do município (com um dos maiores IDHs do país), um grande número de pessoas vem à cidade em busca de melhores condições de vida, com frequência demandando uma infraestrutura que a cidade ainda tem que desenvolver.

Vinhedo SP População

Segundo o IBGE, Vinhedo tem uma população de 72.550 pessoas.

Vinhedo SP CEP

Principais ruas da cidade de Vinhedo

  • CEP 13280-000
    Rua Santa Cruz
    Barra Funda
  • CEP 13280-000
    Rua Primeiro de Maio
    Capela
  • CEP 13280-000
    Rua Manoel Mateus
    Centro
  • CEP 13280-000
    Rua Santos Dumont
    Centro
  • CEP 13280-000
    Rua Comendador João Lucas
    Distrito Industrial

Vinhedo SP Turismo

Conheça alguns pontos turísticos de Vinhedo:

  • Parque Temático Hopi Hari, na Rodovia dos Bandeirantes (acesso somente por Jundiaí ou Campinas).
  • Igreja Matriz de Sant’Ana, no centro da cidade.
  • Avenida Apparecida Tellau Seraphim, acesso pela Rodovia Anhanguera, Km 78.
  • Parque Municipal Jayme Ferragut, local da Festa da Uva, do Parque Aquático Municipal e da sede do Grupo
  • Escoteiro Vinhedo.
  • Portal do Imigrante, com Monumento ao Imigrante e Memorial do Imigrante, no Jardim Itália.
  • Centro Cultural Engº Güerino Mário Pescarini e Teatro Sylvia Alencar Matheus, no centro da cidade.
  • Estação Ferroviária de Cargas e Passageiros[20] (desativada, tem prédio histórico atualmente abandonado), no centro da cidade.
  • Represa João Gasparini.
  • Fazenda Cachoeira e Quilombo remanescente (patrimônio abandonado).
  • Cristo Redentor e novo Portal de acesso à cidade de Itatiba.
  • Mosteiro de São Bento em Vinhedo.
  • Casa de Retiro Siloé.
    Observatório Abrahão de Moraes (mantido pela USP, pertence ao município de Valinhos, acesso somente sob agendamento prévio).
  • Bosque Municipal José Carlos Giunco (desativado, possuía área verde nativa, trilhas, área para piqueniques, mini zoológico e cachoeira).
  • Praça do Aquários, no bairro residencial Aquários.
  • Igreja de São Sebastião, no bairro Nova Vinhedo.
  • Adega Ferragut (vinho artesanal, suco de uva, frutas da época, visita monitorada à plantação de uva e produção de vinho e suco).

Vinhedo SP Fotos

Vinhedo SP Fotos

Outras informações

Mapa de localização



Deixe seu comentário